Faixa publicitária

PostHeaderIcon Actividade

PostHeaderIcon 28 Novembro, Concentração às 14h30, na Praça da Batalha!

Ficheiro para distribuição (4 MBytes formato pdf)

Ficheiro para distribuição (4 MBytes formato pdf)

Actualizado em (Terça, 22 Dezembro 2015 09:21)

 

PostHeaderIcon Eleições de 4 de Outubro de 2015 | MAIORIA DOS TRABALHADORES E DO POVO VOTOU CONTRA A COLIGAÇÃO PSD-CDS E A POLÍTICA DE DIREITA!

(Ler mais, ficheiro em formato pdf)

Actualizado em (Quinta, 21 Abril 2016 20:37)

 

PostHeaderIcon 4 de Outubro - Um voto para libertar o país

Ler mais descarregar e distribuição (445Kbytes em formato PDF)

Ler mais descarregar e distribuição (445Kbytes em formato PDF)

Actualizado em (Quinta, 21 Abril 2016 20:37)

 

PostHeaderIcon AS TRABALHADORAS DO SECTOR DA CORTIÇA CONQUISTAM A IGUALDADE SALARIAL!

AS TRABALHADORAS DO SECTOR DA CORTIÇA

CONQUISTAM A IGUALDADE SALARIAL!

Quando, no final deste mês de Junho, as trabalhadoras do sector corticeiro receberem os seus salários, fá-lo-ão, pela primeira vez na história deste sector, sem discriminação salarial face aos homens, seus colegas de trabalho.

No momento em que se assinala esta data histórica, que representa uma extraordinária evolução civilizacional, a Direcção da União de Sindicatos de Aveiro/CGTP-IN, reunida no passado dia 16 de Junho, saúda as mulheres corticeiras na sua luta pela igualdade.

Este resultado demonstra que a luta de décadas destas mulheres, que é, ao fim de vários anos, coroada de êxito pleno, valeu a pena, e que a organização das trabalhadoras corticeiras no seu sindicato de classe, o Sindicato dos Operários Corticeiros do Norte, filiado na CGTP-IN, foi fundamental para o desenvolvimento das negociações com a Associação Patronal, obrigando-a a aceitar um processo de eliminação gradual, desde 2008 até hoje, das discriminações que, nesse ano, ultrapassava os 100 euros. Processo que, não correspondendo ao desejado pelos trabalhadores, que exigiam o fim mais célere da mais anacrónica das discriminações laborais ainda existentes no nosso país, e que o patronato bloqueou quanto pôde, com o apoio dos sucessivos Governos, deu agora o seu pleno resultado.

A União de Sindicatos de Aveiro/CGTP-IN sublinha ainda que o resultado agora atingido e que acaba com a existência de salários diferenciados para trabalhadores com as mesmas tarefas, apenas pelo sexo dos que as desempenhavam, deixa ainda em aberto a luta pela melhoria dos salários no sector que, como se sabe, é altamente competitivo, registando-se que Portugal é o maior produtor mundial de cortiça e dos seus derivados e conta com empresários que construíram toda a sua riqueza a partir da transformação da cortiça, designadamente o principal empresário do sector, que, a partir desta indústria se catapultou ao lugar de homem mais rico de Portugal.

DIF/USA/CGTP-IN

Aveiro, 18 de Junho de 2015

Actualizado em (Quarta, 07 Outubro 2015 20:29)

 

PostHeaderIcon Imagens do 1.º de Maio em Aveiro

Actualizado em (Segunda, 23 Novembro 2015 19:09)

Continuar...

 

PostHeaderIcon A FORÇA DOS TRABALHADORES

NOTA À IMPRENSA

1º DE MAIO

A FORÇA DOS TRABALHADORES

ROMPER COM A POLÍTICA DE DIREITA!

 

Apesar dos prejuízos na participação provocados pela forte chuva que se abateu no distrito à hora dos trabalhadores se deslocarem para as comemorações do 1º de Maio em Aveiro, Maio desceu a Avenida Dr. Lourenço Peixinho até ao largo do Rossio.

Correspondendo ao apelo dos Sindicatos e da União dos Sindicatos de Aveiro/CGTP-IN, milhares de trabalhadores vindos de todo o Distrito, concentraram-se hoje, na Estação da CP em Aveiro, para participarem na manifestação do Dia Internacional do Trabalhador.

 

Decorrente da situação social que se vive no país e no distrito, as palavras de ordem mais ouvidas foram, entre outras:

* Não ao Tratado Orçamental defender a soberania nacional;

* Este governo hostil quer destruir Abril;

* Contra a exploração a luta é solução;

* É só cortar e roubar a quem vive a trabalhar;

* É urgente e necessário o aumento do salário;

* Emigração não é solução;

* Privatizar é roubar;

* Correr com os aldrabões na luta e nas eleições;

* Onde estão os milhões roubados nos salários e pensões;

* A política que não engana é de Esquerda e Soberana.

Já no Largo do Rossio, João Almeida, dirigente da Interjovem, exigiu um futuro digno no nosso próprio país, o fim da intimidação e da repressão no local de trabalho, que seja respeitada a liberdade sindical, o fim do trabalho precário, o trabalho com direitos, com estabilidade e segurança.

Adelino Nunes, Coordenador da União dos Sindicatos, saudou a luta dos trabalhadores por aumentos de salários e a melhoria das condições de vida, responsabilizou o PS, PSD e CDS pela aplicação de políticas de desigualdade, de exploração e empobrecimento e afirmou que os trabalhadores rejeitam as falsas inevitabilidades, lutam por uma política de Esquerda e Soberana, para construir um Portugal de Futuro!

No final foi aprovada uma Moção, onde os presentes assumiram o compromisso de levar a luta ao voto, para derrotar a política de direita nas próximas eleições legislativas e alterar a correlação de forças na Assembleia da República, para construir uma política alternativa de Esquerda e Soberana que permita retomar e consolidar as conquistas de Abril e colocar Portugal no caminho do progresso, do desenvolvimento sustentável e da justiça social.

DIF/USA/CGTP-IN

Aveiro, 1 de Maio de 2015

Actualizado em (Segunda, 23 Novembro 2015 19:09)

 

PostHeaderIcon RESOLUÇÃO - 1.º de Maio em Aveiro

AUMENTAR OS SALÁRIOS, DEFENDER O EMPREGO E OS DIREITOS

ROMPER COM A POLÍTICA DE DIREITA! POR UM PORTUGAL COM FUTURO

Portugal atravessa um dos períodos mais graves da sua história. A política de direita que foi seguida pelos sucessivos Governos nos últimos 38 anos é responsável pela reconstituição dos grupos monopolistas e pela destruição do aparelho produtivo na indústria, na agricultura e nas pescas, pela

privatização e desmantelamento de empresas e sectores estratégicos que conduziram ao declínio económico e ao retrocesso social sem precedentes desde que foi instaurada a democracia; pela alienação de importantes parcelas da soberania nacional, devido a uma crescente dependência das orientações e directivas da UE e à submissão ao Pacto de Estabilidade e Crescimento e ao Tratado Orçamental.

 

No plano social, são dramáticas as consequências da política de exploração e empobrecimento decorrentes da aplicação dos PEC do Governo PS e aprofundadas com o Pacto de Agressão subscrito pelo PS, PSD e CDS-PP. O desemprego atingiu níveis sem paralelo no nosso país. Só no período de 2009 a 2014 foram destruídos 470 mil postos de trabalho, elevando para mais de 1 milhão e 300 mil o número de trabalhadores desempregados ou em situação de sub ocupação, correspondendo a uma taxa de 24,3%.

 

Actualizado em (Quinta, 17 Setembro 2015 22:54)

Continuar...

 
Mais artigos...