Faixa publicitária

PostHeaderIcon Actividade

PostHeaderIcon A luta dos mineiros do Pejão - Já passaram 20 anos!

A luta dos mineiros do Pejão - Já passaram 20 anos!

1 - Enquadramento.

No dia 26 de Janeiro do ano em curso, fez 20 anos que termiou o processo de luta dos mineiros do Pejão, contra o encerramento das minas, luta que pela sua originalidade, merece ficar gravada com letras de ouro, quer na história de luta do sector, quer do movimento operário e sindical português.

O processo do encerramento das minas, começou em Outubro de 1990, com a deliberação do Governo, de 4 de Outubro, de encerrá-las em Junho de 1994, (data entretanto adiada porque nesse mesmo mês realizaram-se eleições para o Parlamento Europeu).

Esta deliberação do governo é decisiva para se compreender o desenvolvimento posterior do processo, na medida em que a partir desse momento e em coerência com a decisão da administração da empresa/Governo, (tratava-se de uma empresa controlada pelo Estado), foi adoptada uma política de gestão orientada por aquela decisão, banindo-se, desde então, qualquer investimento que era absolutamente necessário para a continuação das minas.

Não é por acaso, que desde a deliberação do Governo de encerrar as minas, em 1990, até ao encerramento efectivo, foram destruidos à volta de 700 postos de trabalho.

Por outro lado, verificou-se outro facto demolidor, em prejuizo de uma posição de defesa da continuação da laboração das minas, que foi as rescisões por mútuo acordo feitas até 31 de Dezembro de 1994, com os trabalhadores a receber a indeminização legal, acrescida de mais quatro meses de salário.

Dos 500 trabalhadores existentes à data do encerramento, apenas não foram abrangidos pelo processo de rescisões, 130 trabalhadores escalados para as operações de desmontagem das instalações, e ainda 4 trabalhadores que se recusaram a aceitar a rescisão vindo a fazê-lo após luta.

Em conclusão, do ponto de vista formal, este dia 31 de Dezembro de 1994, representou o fim de qualquer hipótese de defesa das minas.

 

Actualizado em (Sábado, 25 Abril 2015 21:29)

Continuar...

 

PostHeaderIcon Apresentação do livro "43 Anos a Construir a Igualdade Entre Mulheres e Homens"

Apresentação do livro:

"43 Anos a Construir a Igualdade Entre Mulheres e Homens"

A União dos Sindicatos de Aveiro/CGTP-IN, vai realizar no próximo dia 22 de Janeiro de 2015 pelas 17 horas, na Biblioteca Municipal de Aveiro, a apresentação do livro "CGTP-IN 43 Anos a construir a Igualdade entre Mulheres e Homens - 1970-2013" com a participação de Fátima Messias da Comissão Executiva da CGTP e responsável da Comissão de Igualdade entre Mulheres e Homens (CIMH).

Actualizado em (Sábado, 31 Janeiro 2015 20:28)

 

PostHeaderIcon Marcha Nacional pelo Emprego, Salários, Pensões, Direitos e Serviços Públicos

Nota à Imprensa

Marcha Nacional pelo Emprego, Salários, Pensões, Direitos e Serviços Públicos

Derrotar o Governo – Por uma política de Esquerda e Soberana!

Esteve em Aveiro


Hoje, Domingo, 23 de Novembro, os trabalhadores e a população do distrito participaram na Marcha Nacional por uma política de esquerda e soberana, que iniciou a sua marcha na cidade de Aveiro, às 10horas, junto da União dos Sindicatos e prosseguiu até à Praça Humberto Delgado (Ponte Praça), onde decorreu o encerramento da marcha no distrito.

 

O distrito de Aveiro deu um bom contributo para o êxito da Marcha. Foi uma Marcha animada e com força como o comprovam as diversas palavras de ordem gritadas designadamente: “Existem soluções, queremos eleições; É urgente e necessário o aumento do salário; Desemprego em Portugal é vergonha nacional; Abril de novo com a força do povo; É preciso é urgente correr com aquela gente; O povo unido jamais será vencido”.

 

Já na Praça Humberto Delgado, Adelino Nunes, coordenador da União dos Sindicatos de Aveiro, fez uma intervenção relevando a necessidade de continuarmos a luta pela mudança de política e de Governo. No final os marchantes aprovaram por unanimidade uma resolução a rejeitar o Orçamento de Estado, a exigência de uma política de recuperação dos serviços públicos e do reforço das Funções Sociais do Estado consagradas na CRP, a determinação em prosseguir a luta pela ruptura com a política de direita, a exigência da demissão do Governo e a convocação de eleições antecipadas, e pela afirmação dos valores de Abril no futuro de Portugal.

 

A determinação e confiança dos marchantes demonstram a sua disponibilidade para continuar a luta pelo emprego, pelos salários e pensões, pelos direitos e serviços públicos, contra a exploração e o empobrecimento, para acabar com esta política e este governo, por eleições antecipadas e por uma política de Esquerda e Soberana!


DIF/USA/CGTP-IN

Aveiro, 23 de Novembro de 2014

Actualizado em (Sábado, 07 Março 2015 20:50)

 

PostHeaderIcon POR UMA POLÍTICA DE ESQUERDA E SOBERANA!

Dia 23 de Novembro em Aveiro
Vamos Marchar pela ruptura da política de direita!
POR UMA POLÍTICA DE ESQUERDA E SOBERANA!

Actualizado em (Domingo, 23 Novembro 2014 15:29)

 

PostHeaderIcon Dia Nacional de Indignação Acção e Luta

Documento em formato pdf para descarregar (4 Mbytes)

Documento em formato pdf para descarregar (300 Kbytes)

Documento em formato pdf para descarregar (4 Mbytes)

Documento em formato pdf para descarregar (300 Kbytes)

 

PostHeaderIcon Ministra da Justiça teve medo do protesto de Dirigentes Sindicais!

Ministra da Justiça teve medo do protesto de Dirigentes Sindicais!


Hoje, dia 17 de Outubro, a Ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, teve medo do protesto dos representantes do trabalhadores, no Centro Cultural e de Congressos, em Aveiro, onde participou na cerimónia de abertura do VI Congresso da Câmara dos Solicitadores, e entrou pela porta dos “fundos” deixando as várias individualidades presentes para a receber a ver “navios”.

Tendo presente a responsabilidade de Paula Teixeira da Cruz na redução, significativa, do número de comarcas judiciais em todo o país, que afasta, ainda mais, a justiça dos cidadãos e, por isso, dificulta o acesso dos trabalhadores e das classes mais desfavorecidas à justiça e pelo caos que se verifica nos tribunais com a inactividade do CITIUS, a sua participação num Governo que não só mantém como agrava a aplicação de políticas de exploração e empobrecimento e de regressão económica e social em Portugal, percebe-se o medo da Ministra de enfrentar os protestos.

Por outro lado, no distrito de Aveiro, já ninguém estranha a fuga de membros do Governo, por tantas terem já ocorrido.

No entanto, não há fuga de membros do Governo que consiga esmorecer a luta dos trabalhadores, dos desempregados, dos reformados e pensionistas e dos jovens contra o ciclo vicioso e destrutivo de austeridade, recessão económica e retrocesso social que agrava a exploração e o empobrecimento, promove o aumento das desigualdades, da pobreza e da exclusão social e para exigir a demissão do Governo, eleições legislativas antecipadas, a ruptura com a política de direita, por uma política, de Esquerda e Soberana.

 

DIF/USA/CGTP-IN

Aveiro, 17 de Outubro de 2014

Actualizado em (Sábado, 07 Março 2015 20:49)

 

PostHeaderIcon Actualização do Salário Mínimo é insuficiente!

Actualizado em (Sábado, 31 Janeiro 2015 20:29)

Continuar...

 
Mais artigos...