Faixa publicitária

PostHeaderIcon Manifestação em Lisboa, pela revogação normas gravosas da Legislação Laboral

Manifesto em formato PDF para descarregar (65 MBytes)

 

PostHeaderIcon Desemprego

Desemprego no distrito de Aveiro última informação - Abril de 2019

(Documento em formato PDF, 572 Kbytes) actualizada em 29-06-2019

Actualizado em (Sábado, 29 Junho 2019 11:48)

Continuar...

 

PostHeaderIcon APRESENTAÇÃO DE LIVRO DO AUTOR QUIM ALMEIDA

APRESENTAÇÃO DE LIVRO DO AUTOR QUIM ALMEIDA


No dia 19 de Junho, pelas 15 horas, na Biblioteca Municipal de Aveiro, realizou-se a apresentação pública do livro O Movimento Operário e Sindical no Distrito de Aveiro (1900-2016)da autoria do sindicalista e ex. Coordenador da União dos Sindicatos de Aveiro, Quim Almeida, e que contou com a presença de mais de 60 pessoas e as intervenções de Adelino Nunes, Coordenador da União, Rui Mota, Editor da Página a Página, Manuela Silva, Professora de História, Joaquim Almeida, Autor e João Torres, da Comissão Executiva da CGTP-IN.

 

A apresentação deste livro é o culminar de um projecto que tinha como objectivo passar a escrito a história dos 40 anos da União mas que, com o empenho e resiliência do autor, acabou por ir muito para lá do objectivo inicial, ao alargar para 116 anos de História do Movimento Operário e Sindical no distrito de Aveiro e que, por isso mesmo, se irá transformar num importante instrumento para a formação de dirigentes, delegados e activistas sindicais do futuro.

 

Trata-se, efectivamente de uma reflexão inédita sobre a evolução do movimento operário e sindical no distrito de Aveiro, os momentos e os contextos políticos em que surgiu e se desenvolveu, partindo de quatro vertentes fundamentais: as Associações de carácter Popular e Mutualista; as Associações de Classe/ Sindicatos, que foram criados no distrito, desde 1900 até ao golpe de Estado de 28 de Maio de 1926; os Sindicatos Corporativos do período 1933; a actividade desenvolvida pela União dos Sindicatos de Aveiro CGTP-IN, desde a sua fundação em 1974, até ao X Congresso realizado em 25 de Maio de 2016.

 

Este é um livro, de grande utilidade tanto para a formação sindical, como igualmente, será um instrumento único de informação e deestudo para investigadores e historiadores, que tão pouco se têm debruçado sobre a História do Movimento Operário e Sindical do distrito de Aveiro.

 

Boa leitura!

 

União dos Sindicatos

Adelino Nunes

Contacta o teu sindicato para aquisição do teu livro

O Movimento Operário e Sindical no Distrito de Aveiro (1900-2016)

Continuar...

 

PostHeaderIcon AVANÇAR NOS DIREITOS! VALORIZAR OS TRABALHADORES!

Nossa Referência

73/2019

NOTA À IMPRENSA

1º MAIO 2019

AVANÇAR NOS DIREITOS! VALORIZAR OS TRABALHADORES!

No ano em que se comemorou o 45 aniversário do 25 de Abril e se assinala os 133 anos do massacre de Chicago, nos Estados Unidos da América, de que resultou o assassínio e a prisão de trabalhadores e sindicalistas, milhares de trabalhadores vindos de todo o Distrito, correspondendo ao apelo dos Sindicatos e da União dos Sindicatos de Aveiro/CGTP-IN, concentraram-se, hoje, pelas 15 horas, no Largo da Estação da CP em Aveiro, para participarem na manifestação do Dia Internacional do Trabalhador.

 

Tratou-se de uma manifestação animada, combativa e com força como comprovam as diversas palavras de ordem gritadas designadamente: “É Justo e necessário o aumento do salário!; Mais aumento salarial, menos pobreza laboral!; Precariedade é injusta, os jovens estão em luta!; 35 horas - para todos sem demoras!; Contra a exploração a luta é solução!; Direito à contratação está na Constituição!; O acordo laboral é bom para o capital!; O público é de todos! Privado é só de alguns!; É preciso investir pró país produzir!; Taxar o capital é urgência nacional!; 40 anos a descontar - reforma sem penalizar!; Mais salários - melhores pensões!; Saúde, Educação e Segurança Social é direito universal!; É inter, é jovem, é Interjovem!; O povo unido jamais será vencido!”.

 

Já no Largo do Rossio, João Ribeiro, dirigente da Interjovem, lembrou que Portugal mantém um nível muito baixo na qualidade do emprego e nos salários. Que, contra isso, a Interjovem irá continuar o combate à precariedade e a exigir aumento real dos salários.

Terminou, referindo que a juventude é a chama viva da Revolução e serão uma arma carregada de futuro que levará mais longe a luta, todos os dias nas empresas e nos locais de trabalho, para defender Abril, a democracia e a liberdade. Que no dia 26 de Maio levarão a luta até ao voto porque é preciso avançar nos direitos e num Portugal Soberano e com Futuro.

 

Adelino Nunes, Coordenador da União dos Sindicatos de Aveiro, começou por saudar todos os que continuam a lutar pela emancipação social, económica e política, por melhores condições de vida e de trabalho e por um mundo novo, liberto da exploração do homem pelo homem.

Saudou os trabalhadores em greve do Pingo Doce na Feira, do Continente, de Santa Maria de Lamas e de São João da Madeira, entre outros, pela exigência do encerramento das grandes superfícies aos domingos e feriados.

Fez uma saudação muito fraterna à Cristina Tavares, trabalhadora corticeira, que com grande firmeza e determinação, continua a lutar pelo direito ao seu posto de trabalho e contra o assédio e a repressão patronal.

Terminou, afirmando que não há política de Esquerda com legislação do trabalho de direita, por isso, é tempo de Avançar nos direitos, Valorizar os Trabalhadores, de aprofundar a reposição e conquista de direitos e rendimentos, de assegurar o aumento geral dos salários e de fixar o Salário Mínimo Nacional em 850€, a curto prazo, de lutar por uma Política de Esquerda e Soberana, comprometida com os valores e ideais de Abril e por um Portugal com futuro.

No final, foi aprovada uma Resolução, onde os presentes assumiram o compromisso de intensificar a luta reivindicativa nos seus locais de trabalho tendo por objectivos: O aumento geral dos salários de todos os trabalhadores e a fixação, a curto prazo, do Salário Mínimo Nacional em 850 euros; A revogação das normas gravosas da legislação laboral e a rejeição da proposta de lei laboral do governo do PS; O combate à precariedade nos sectores privado e público, garantindo que a um posto de trabalho permanente corresponda um contrato de trabalho efectivo; As 35 horas de trabalho semanal para todos, sem redução de salário, contra a desregulação dos horários, adaptabilidades, bancos de horas e todas as tentativas de generalizar a laboração contínua e o trabalho por turnos; O reforço do investimento nos serviços públicos, nas funções sociais do Estado e na valorização dos trabalhadores da administração pública, para assegurar melhores serviços às populações.

 

Decidiram, ainda, no dia 26 de Maio, nas eleições para o Parlamento Europeu, com o seu voto, impedir a eleição de deputados que defendem uma União Europeia, neoliberal, federalista e militarista. Os trabalhadores precisam de eleger mais deputados que defendam os seus direitos e interesses, contra as imposições e arbitrariedades da União Europeia, pelo que levarão a luta até ao voto, votando naqueles que sempre os apoiam, se solidarizam e estão de acordo com as suas reivindicações, anseios e lutas.

 

DIF/USA/CGTP-IN

Aveiro, 1 de Maio de 2019